Pintando Sem Solvente

A grande maioria dos pintores usam algum tipo de solvente para diluir a tinta óleo. Muitas vezes até mesmo aqueles que nunca pensaram por que diluem sua tinta alteram sua consistência com solvente simplesmente por que esse é o modo ensinado nas escolas e ateliês brasileiros. Todos aqui usam solvente e óleo para “afinar” a tinta. E voçê, já pensou por que faz uso disso? Será uma prática realmente necessária em seu caso? Recomendamos que leiam nosso artigo Como Diluir a Tinta a Óleo.

 

Muitos artistas sensíveis ao odor do solvente, acabam por abandonar a prática da pintura óleo pois pensam ser impossível praticar essa modalidade sem o uso de solvente. Mas, ao contrário do que se imagina, o solvente nem sempre foi usado na pintura. Como exemplo, não há registros de que na antiguidade e no Renascimento os pintores europeus faziam uso de solventes voláteis. Há menção de materiais similares a solventes voláteis somente em tratados a partir do século XVII, sendo que o uso popular do material entre artistas começa somente no período posterior a revolução industrial.

Portanto, para os pintores que possuem algum tipo de alergia ou sensibilidade a solvente, é perfeitamente possível pintar sem usar esse material. É apenas uma questão de hábito até que voce acostume a não usar mais o solvente. A tinta obviamente ficará mais grossa, mas com o tempo, verá que é possível manuseá-la e pintar sem solvente. É comum sentir dificuldade em empurrar a tinta se você estiver usando pincéis macios. Se deixou de lado o uso do solvente e você só pinta com tinta pura, pode ser uma boa idéia tentar fazer uso de pincéis de cerdas mais duras, como os pincéis de pêlo de porco ou de cerdas brancas sintéticas.

É importante no entanto, lembrar que tudo tem um limite: alguns efeitos simplesmente são impossíveis de se alcançar sem uso do solvente. Mas, sobretudo se o artista possui um trabalho de pinceladas largas e com maior quantidade de tinta, ele não sentirá falta da necessidade de diluir a tinta, permitindo dispensar o solvente. Ainda assim, se o artista costuma diluir sua tinta, tornando-a menos pastosa, existem algumas medidas que podem ser tomadas, sem que seja necessário o uso de um solvente.

 

Solvente Inodoro Gamblin


A medida mais prática é mudar sua marca de tinta, pois talvez a mesma possa ser muito grossa. É possível encontrar no mercado tintas menos espessas, que apresentam corpo mais fino sem que se perca demais a quantidade de pigmento. Difícilmente um artista disposto a pagar o preço de experimentar inúmeras marcas não encontrará algo do seu gosto. Se voce não encontrou, é por que não experimentou marcas suficientes. Um bom exemplo de marcas de tintas menos pastosas, mas de boa qualidade, são algumas linhas da Schmincke, Lukas e algumas cores da Winton (linha estudante da Winsor & Newton). 

A medida mais prática é testar outras marcas de tinta, sendo que as variações de pastosidade mudam consideravelmente entre as elas, sendo possível encontrar marcas com pastosidade mais concordante com o gosto pessoal do artista. Difícilmente um artista disposto a pagar o preço de experimentar inúmeras marcas não encontrará algo do seu gosto. Se voce não encontrou, é por que não experimentou marcas suficientes.

Caso a mudança de marca não seja suficiente, e você tenha experimentado de tudo, sem estar satisfeito, é possível fazer uso de outros veículos no lugar do solvente, como os óleos vegetais. Ao invés de diluir a tinta com a terebintina, dilui-se com um óleo vegetal, como o óleo de linaça. No entanto, é preciso que se mantenha a proporção de óleo de linhaça numa quantidade mínima e nunca em exagero: o óleo vegetal faz com que a tinta seque mais devagar além de promover um maior amarelamento quando em grande quantidade misturado a tinta. É exatamente porisso que a maioria dos artistas fazem uso do solvente e não do óleo para diluir sua tinta. Como comentado em artigo anterior, é interessante que não se use mais do que 20% de óleo na porção de tinta a ser usada. O ideal na verdade é que se use ainda menos do que isso. Uma outra saída é a preparação de uma emulsão de ovo para diluir a tinta, embora seja essa uma solução mais complexa do que o uso do óleo de linhaça.

Portanto, cabe ao artista testar as possibilidades e entender com quais se adapta melhor. Muitas vantagens são incluídas num processo livre de solvente, economiza-se com um material a menos, elimina-se o odor do solvente, que mesmo podendo ser de um diluente inodoro (como o ecosolv), pode trazer irritação aos mais sensíveis e finalmente a conservação dos pincéis, pois os solventes encurtam sua vida útil, principalmente dos pêlos naturais ou mais delicados, sua eliminação prolonga o uso de ferramentas como os pincéis kolynsky, sable, mongoose, esquilo e outros pêlos nobres.

Se você quer entender ainda mais sobre as técnicas tradicionais de pintura e as propriedades dos materiais históricos de pintura, clique e veja nosso Curso de Pintura Clássica.

BIBLIOGRAFIA
MAYER; Ralph; Manual do Artista; Martins Fontes; 1950; 1957 e 1970.
MOTTA, Edson; SALGADO, Maria; Iniciação a Pintura; Editora Nova Fronteira; 1976.
LAURIE; A.P.; The Painter´s Method´s and Materials; Dover; 1967.
AMIEN; Art Materials Information and Education Center; 2011.

53 Comments

  1. O sistema que emprega solvente e substantivamente mais medium em cada camada posterior pode ser pouco prático, principalmente no caso do artista fazer uso de muitas camadas. O que eu quis dizer é que, da perspectiva da praticidade, o ideal seria não usar NADA, pois torna o processo mais simples e muito menos dispendioso. Lembre-se que quanto menos óleo, resinas e outros materiais misturados a tinta, há menor chance de reveses. Há inúmeros pintores que não usam absolutamente nada além de tinta.Mas, dependendo do que se quer fazer, sem solvente é impossível. Ao contrário do óleo de linhaça, resinas, secantes, cargas inertes e outros, de todos os auxiliares de pintura, o solvente é o material menos problemático não costumando interferir na conservação da obra. Portanto, voce pode usar o solvente sem nenhum problema.Abraço!

  2. Você acaba de ganha mais um fã e um inscrito em seus canais! Gostaria de tira um dúvida! Qual a melhor mistura(médium) de Óleo de linhaça + terebintina + secante de cobalto, para um pinto iniciante?

  3. Um medium genérico é composto de uma parte de linhaça e uma parte de terebintina, com três ou quatro gotas de secante, dependendo da quantidade de óleo e solvente. Três ou quatro gotas é suficiente para meia tampa de linhaça e meia tampa de solvente. Abraço!

Deixe uma resposta