O Belo e o Sublime em Kant

o belo e o sublime em kant: uma introdução à estética

Curso Teórico
4 encontros: 25 a 28 de Julho
Carga horária de 8 h

Belo e sublime são termos que podem parecer datados. Se quisermos, no entanto, compreender a situação contemporânea da apreciação estética e da produção artística, não ajuda em nada descartá-los: são conceitos profundos que se confundem com a história da filosofia da arte. É certo, além disso, que modos mais recentes de nomear os sentimentos, procedimentos e objetos estéticos, como a “aura” e o “inconsciente óptico”, de Walter Benjamin, ou o “informe”, de Georges Bataille, podem ser melhor compreendidos a partir de beleza e sublimidade.

Analisaremos como Kant pensou essas noções essenciais em sua Crítica da Faculdade de Julgar, obra revolucionária na qual podemos dizer que a disciplina da estética moderna se funda. Também investigaremos quais suas relações com outras noções igualmente importantes de toda discussão crítica sobre arte: a validade do juízo de gosto, o gênio, a perfeição e o monstruoso, o senso comum enquanto intersubjetividade, as diferenças entre pensamento científico, moralidade e sentimento estético etc.

Com o intuito de tornar mais evidente a importância da abordagem kantiana para a compreensão da contemporaneidade, indicaremos também algumas “sobrevivências” dessas noções no pensamento de autores modernos e contemporâneos, guiados pela pesquisa de nomes como Miriam Hansem, Hannah Arendt, Didi-Huberman, Jean-Luc Nancy e Thierry de Duve. É um curso introdutório, voltado a qualquer pessoa interessada em conhecer melhor o campo da estética.

GRADE DISCIPLINAR

Aula 1
O que é a referência estética ao mundo? Os dois sentidos do termo “estética” e a pretensão à autonomia na estética moderna. Introdução ao problema da Crítica do Juízo, de Kant.

Aula 2
Os diferentes tipos de prazer e os objetos a que se referem. Diferenças entre o agradável, o bom, o perfeito, o monstruoso, o belo, o feio e o repugnante.

Aula 3
Retomada da aula anterior. O gênio e a singularidade como matéria para a arte; o “homem de gosto” e a comunicabilidade universal do sentimento.

Aula 4
A imaginação desnudada: apresentação sublime e violência erótica da imagem. Diferenças e aproximações entre beleza e sublimidade. O caráter destrutivo da poiesis artística e o teor político do juízo de gosto.

Formatação

Aulas teóricas através de apresentação de imagens em power point. Quatro encontros de duas horas, aos sábados, das 13 às 15 horas. Próximo ao metrô Santana (veja nosso endereço em contato).

reposição de aulas

Devido a formatação de apenas 4 encontros desse curso, não há reposição de aulas em caso de ausência do participante.

DATAS

ENCONTRO 1 ENCONTRO 2 ENCONTRO 3 ENCONTRO 4
25 de Julho 2022
das 14 as 16 h
26 de Julho 2022
das 14 as 16 h
27 de Julho 2022
das 14 as 16 h
28 de Julho 2022
das 14 as 16 h

Orientador

Bruno de Abreu (1992) é artista e professor de teoria da arte. Morou por dezoito anos em Piracicaba, São Paulo, e reside na capital desde 2011, quando passou a cursar artes plásticas na FAAP. Formou-se em filosofia em 2019 pela Faculdade de São Bento.

valores

À VISTA
R$350,00

R$300,00 para alunos do nosso curso de PINTURA CLÁSSICA

Comments are closed.